Dados do município


História

Antes de seu descobrimento, ocorrido nas últimas décadas do século XVII, a região era habitada pelos belicosos índios cariris, descendentes remotos dos primeiros imigrantes protomalaios chegados às costas americanas do Pacífico, e que se estabeleceram no sul do Ceará no século IX ou X. A partir de 1714, o futuro município começou a receber colonizadores vindos da Bahia, de Sergipe e Pernambuco, atraídos pela paisagem e fertilidade do solo, “em cujos sesmos se instalaram por acostamento ou compra”. A vida pastoril dominou a região até o ano de 1750, época em que tiveram início as instalações dos primeiros engenhos, vindos de Pernambuco. Data daí o desenvolvimento industrial da cana-de-açúcar, criadora da aristocracia rural do Cariri.

Cultura

O município conta instituições que promovem a cultura como: Banda de Música Municipal do Crato; Sociedade de Cultura Artística do Crato (SCAC): no mês no novembro, de cada ano, a unidade SESC da cidade promove uma mostra de teatro com companhias de todo país; Instituto Cultural do Cariri: fundado em 1953, do qual foi membro o dicionarista brasileiro Tomé Cabral Santos; Banda Cabaçal dos Irmãos Aniceto: sua principal expressão de cultura popular, embora existam muitos outros grupos folclóricos. A cidade reúne pequenos festivais de tradições populares nordestinas; Palacete da estação ferroviária: hoje um Centro Cultural; Seminário São José, a Igreja da Sé e seu entorno; Museu Histórico: com várias peças do século XVIII e XIX e artefatos dos primeiros habitantes (os índios cariús); Museu Paleontológico: edificação mais antiga do Crato em cujo interior encontra-se fósseis de animais que viveram na região há milhões de anos. Os principais eventos culturais de Crato são: Área de leilões do Parque de Exposição Pedro Felício Cavalcanti; Festa da Padroeira Nossa Senhora da Penha (1 de Setembro); Desfile de 7 de setembro; Semana do Município (21 de Junho); Expocrato (Julho); Santa Cruz da Baixa Rasa (Missa do Vaqueiro) (24 de Janeiro); Dia de Reis (6 de Janeiro); Mostra Sesc de Arte e Culturas (Novembro); Natal do Belo Amor (Dezembro); Romaria do Caldeirão

Economia

A economia local é baseada na agricultura de feijão, milho, mandioca, arroz, monocultura de algodão, cana-de-açúcar, castanha de caju, hortaliças, banana, abacate e diversas frutas. Na pecuária extensiva destaca-se criação de bovinos, ovinos, caprinos, suínos e de aves. O extrativismo vegetal também estimula a economia local com a extração de madeiras diversas para lenha e construção de cercas, uso em padarias e fabricação de carvão vegetal; atividades com babaçu, oiticica e carnaúba. O artesanato, também é uma outra fonte de renda, de redes e bordados é bastante difundido no município. Já a piscicultura desenvolve-se nos córregos e açudes. A mineração gera fonte de renda através da extração de rochas ornamentais, rochas para cantaria, brita, fachadas e usos diversos na construção civil. Bem com a extração da areia, argila (utilizada no fabrico de telhas e tijolos) e de rocha calcária (calcinada para obtenção de cal e gipsita). Registram-se ainda nas terras do Crato a ocorrência de gipsita, utilizado na fabricação de cimento Portland, gesso e na correção de solos salinos, e chumbo. No parque industrial do Crato localizam-se 95 indústrias. Centro comercial do Crato. A cidade do Crato tem expressiva importância econômica regional. Destaca-se na tradicional função de comercialização de produtos rurais, provenientes do desenvolvimento da agricultura no sopé dos vales irrigados da região do Cariri. Nessa área, destaca-se a famosa Expocrato, feira agropecuária que inclui também shows com bandas e cantores famosos e da qual participam cerca de 500 mil pessoas todos os anos incluindo milhares de visitantes de fora da cidade, em todo mês de julho. A cidade também comercializa produtos industriais, tais como (alumínio, calçados, cerâmica e aguardente, para os demais centros urbanos do Ceará.

Características geográficas
Altitude

426 m


Área

1 009,202 km². Área urbana: 4,906 km²


Clima

A pluviosidade no município é de 1 086 milímetros anuais, com chuvas concentradas de dezembro a abril. As temperaturas médias ao longo do ano variam entre 24 °C e 27 °C, com médias mínimas de 18 °C até médias máxima de 33 °C. Nas zonas altas da cidade, no topo da Chapada do Araripe, as temperaturas costumam ser mais frias devido à altitude. Na vizinha Barbalha, situada em altitude similar, a estação meteorológica local demonstra que, da região do Araripe, as mínimas absolutas (no período 1961-1990) variaram entre 10 °C e 18 °C, enquanto as máximas absolutas foram de 34 °C a 37 °C, conforme o mês do ano.[


Densidade

134,4 hab./km²


População

135 604 hab. Ref. IBGE/2017.


Relevo e solo

As terras do Crato fazem parte da Depressão Sertaneja, com um relevo que é constituído ao norte por formas suaves, pouco dissecadas, com maciços residuais, e a sul pela uniformidade da Chapada do Araripe. Por estar localizada no sopé de uma chapada de altitudes consideráveis (chegando a até 920m) em meio a uma área semiárida. Os solos da região são solos podzólicos, latossolos, litólicos e solos aluviais. Geologicamente, o substrato compõe-se de xistos, quartzitos, gnaisses e migmatitos do Pré-Cambriano indiviso, conglomerados, arenitos, grauvacas e argilitos do Eocambriano, arenitos e calcários do Paleozóico.


Hidrografia

As principais fontes de água fazem parte da bacia do rio Salgado, sendo seus afluentes os rios: Carás e das Batateiras riachos: Correntinho, Carão, dos Carneiros, São José e outros tantos. Existem ainda diversos açudes, sendo os de maior porte o Açude dos Gonçalves e o Açude Tomaz Osterne,


Subdivisão

O município também é dividido em dez distritos: Crato (sede), Baixio das Palmeiras, Belmonte, Campo Alegre, Dom Quintino, Monte Alverne, Bela Vista, Ponta da Serra, Santa Fé e Santa Rosa.


Vegetação

O Crato possui uma grande variedade de paisagens naturais, incluindo áreas de mata seca floresta subcaducifólia tropical pluvial, cerrado, caatinga arbórea (floresta caducifólia espinhosa), mata úmida (floresta subperenifólia tropical plúvio-nebular) e carrasco (vegetação de transição presente em algumas regiões do Ceará). De acordo com dados oficiais do governo, reconhecem-se as seguintes vegetações no território do Crato: carrasco, floresta caducifólia espinhosa, floresta subcaducifólia tropical pluvial, floresta subperenifólia tropical pluvio-nebular e floresta subcaducifólia tropical xeromorfa. Dada a variedade de paisagens, a cidade do Crato possui grande biodiversidade, que está relativamente bem preservada graças à Floresta Nacional do Araripe, que foi a primeira floresta nacional estabelecida no Brasil, em 1946, e abrange parte do território de Santana do Cariri, Crato, Barbalha e Jardim, totalizando 39.262,326 hectares. Por sua riqueza biológica, o Crato é um dos locais mais importantes para a preservação do degradado patrimônio ecológico no Ceará e para a preservação dos resquícios de mata atlântica, vegetação que quase desapareceu em todo o Nordeste.